Metade dos usuários de smartphones não baixam mais novos aplicativos

Metade dos usuários de smartphones não baixam mais novos aplicativos

Um relatório da comScore pode ser o indicador de que a luta dos desenvolvedores de aplicativos para inovar e criar novas experiências para os consumidores pode ser uma batalha perdida

De acordo com o estudo intitulado “The EUA Mobile App Report“, 49% dos americanos não baixaram novos aplicativos durante o período de um mês. Esses dados são referentes a um período de três meses que terminou em junho de 2016.

Estimativas para novos aplicativos

O relatório também compartilha a estatística de que entre os usuários de smartphones, 51% deles baixaram 3,5 novos aplicativos por indivíduo. Então, basicamente, cada pessoa pró-ativa que transfere regularmente 3,5 aplicativos em um mês, em média, uma pessoa que está satisfeita em não baixar aplicativos no seu smartphone.

Analisando o crescimento fenomenal do uso de smartphones que vimos na última década, o estudo parece um pouco distorcido, como seria de esperar uma adoção mais ampla e mais extensa de aplicativos associados. No entanto, isso obviamente não é o caso: o relatório revela que a popularidade dos apps podem ser creditadas a um pequeno grupo de usuários de smartphones – 13% para ser mais preciso – que representam mais da metade de todos os downloads de aplicativos em um mês.

A influência de Pokemon Go

A TUNE, empresa especializada em propagandas “in app” também realizou um estudo onde revelou que quase 75% dos proprietários de smartphones no país baixou somente um aplicativo a cada mês. “Relatos de que os downloads realizados por um adulto médio americano chegariam a zero aplicativos por mês estão errados.

Na verdade, dados de várias fontes – incluindo dados concretos de 74 milhões de smartphones e tablets pertencentes a 48 milhões de norte-americanos dos Estados Unidos – indicam que o número real de instalações de aplicativos é muito mais elevado: pelo menos 1,5 aplicações por pessoa por mês “.

Frente a resultados conflitantes, é melhor tomar os relatórios como uma dica para o futuro, mas com certa cautela. Registros de download de aplicativos como por exemplo aqueles criados na onda do sucesso de Pokémon GO causam grandes oscilações nesses relatórios e levantam questionamentos sobre a precisão de tais estudos.

Artigo publicado originalmente em: Techtimes


Aprenda como ser um produtor de games e conheça as ferramentas mais utilizadas pelos desenvolvedores no curso Introdução à Produção de Games

Saiba mais


Escola Brasileira de Games (EBG) é uma plataforma de ensino, treinamento e aperfeiçoamento de conhecimento nas áreas de gestão empresarial da indústria de jogos, aplicativos mobile e negócios digitais.

Nosso objetivo é ensinar, incentivar e aperfeiçoar a capacitação profissional através de metodologia inovadora baseada nas experiências e práticas de gestão reais utilizadas pelas empresas no Brasil e no mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *