Jogadores de Video Games: Uma Nova Classe Trabalhadora

Jogadores de Video Games: Uma Nova Classe Trabalhadora

Dentro de alguns anos podemos ter uma nova classe trabalhadora: Jogadores de Video Games

Dados econômicos e tendências mostram que a automação está eliminando diversos empregos tradicionais. Nos próximos anos precisaremos de novas formas de emprego.

Edward Castronova, um acadêmico da Universidade de Indiana que estuda a economia dos jogos online publicou uma ousada previsão em um white paper. Ele argumenta que dentro de 20 anos, “jogar jogos por dinheiro será visto como uma escolha profissional legítima para aqueles cujas habilidades não são valorizadas pelos mercados de trabalho tradicionais”.

Linhas de tendência

Primeiro, considere como os jogos online evoluíram. Quinze anos atrás, você costumava pagar cerca de R$30-50 por mês para jogar em uma Lan House ou Cibercafe. Ainda na década passada, as empresas de jogos criaram o modelo free-to-play: não custa nada aderir ao jogo, mas se você quiser algo legal – uma armadura bacana ou uma “montaria” para viajar mais rápido – você precisa comprá-lo. Este modelo se tornou absurdamente lucrativo. Um título free-to-play bem cotado, como o Clash Royale, agora arrecada cerca de US $ 2,1 milhões por dia com venda de itens virtuais.

Mas a questão é: assim como nos cassinos, a maior parte da receita vem de “baleias”, uma pequena porcentagem de jogadores que gastam grandes quantidades de dinheiro. Um estudo realizado na última primavera pela Swrve (uma empresa que ajuda publishers a comercializar itens virtuais) descobriu que apenas 0,2% dos jogadores são responsáveis ​​por 48% de toda a receita, o que mostra que, uma pequena população de jogadores subsidia a grande massa.

escola-brasileira-de-games-nova-classe-trabalhadora-video-games-jogadores

Castronova prevê que as tendências econômicas irão forçar esses subsídios a crescer. Siga este raciocínio: a automação criará enormes massas de trabalhadores desempregados. Os super-ricos serão cada vez menos e ficarão cada vez mais ricos. O que significa que as empresas de jogos vão se direcionar para um “New Deal” no mundo virtual. Eles terão que mergulhar cada vez mais suas baleias para permanecer nos negócios, mas mantê-los felizes exigirá que seus mundos sejam excelentes  e emocionantes.

Assim, as empresas de jogos precisam que mais pessoas pobres apareçam. Jogadores ricos não querem jogar com bots; eles anseiam pelo contato social com humanos reais. E eles também gostam da emoção de exibir o seu status socioeconômico sobre os outros. (É a psicologia do cassino: “Os figurões querem entrar em um cassino lotado e entrar na sala dos grandes apostadores”, diz Castronova, “se passando por um cara como eu jogando dados”.)

Game Design + Teoria Marxista

Nos próximos 10 anos, as empresas podem passar a emitir cartões de recompensa, gastáveis ​​no mundo real. Mas, passados ​​20 anos, as empresas podem passar a acreditar que devem pagar para manter os jogadores ativos no jogo. Isso significa que as empresas de jogos terão que atrair mais jogadores ruins.

Isso não seria, como o próprio Castronova reconhece, a utopia. Isso seria game design via teoria da imiseração de Marx. “Não é uma boa vida”, diz Castronova – não apenas por causa dos salários prováveis, mas por causa do isolamento. Agora, jogadores de baixa habilidade com poucas outras opções de trabalho podem estar felizes o suficiente com esse trabalho; como o economista Erik Hurst descobriu, quando os homens de hoje não formados em faculdades abandonam a força de trabalho, eles costumam jogar jogos de qualquer maneira. “Isso parece algo que vai acontecer”, diz Mike Sellers, um veterano de empresas free-to-play e professor da Universidade de Indiana.

E eu tenho uma sensação de que Castronova está em algo. Os líderes políticos estão fazendo pouco para preparar os EUA para a perda de emprego resultante da automação. Nessa ausência, o mercado traçará seu próprio caminho, e isso torna tendências como essa muito plausíveis. Quando se trata do jogo da economia do mundo real, as pessoas não têm escolha a não ser jogar.

Artigo Original: The Future Of Work Is Gaming


Cursos com desconto e sugestões para aprender mais sobre: Desenvolvimento de Jogos para PC, Consoles e Mobile

Saiba Mais

Nosso objetivo é ensinar, incentivar e aperfeiçoar a capacitação profissional através de metodologia inovadora baseada nas experiências e práticas de gestão reais utilizadas pelas empresas no Brasil e no mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *