Minimizando riscos ao desenvolver jogos para VR e AR

Minimizando riscos ao desenvolver jogos para VR e AR

PERONIO é um livro Pop-up Interativo nunca visto antes

Colabora neste texto Tiago Moraes, desenvolvedor na Ovni Studios e pioneiro em projetos de VR, AR & Mixed Reality

Escrevi este post para compartilhar algumas dificuldades e possíveis soluções em VR & AR (Virtual and Augmented Reality). É um texto um tanto quanto “romântico” sobre quanto risco estamos dispostos a correr quando o nosso “porque” é muito forte.

Durante 15 anos desenvolvendo jogos, a dificuldade sempre foi a mesma: ser notado em meio a infinidade de novos jogos com cada vez mais qualidade. Logicamente com o tempo vamos nos aperfeiçoando e cometendo menos erros, porém mesmo com um ótimo jogo e fazendo toda a lição de casa, ainda precisamos de sorte para conquistarmos nosso espaço.

escola-brasileira-de-games-peronio

Esperança

Se tem uma coisa que pode contar muito a nosso favor, mas que é preciso ter uma certa sensibilidade apurada, é entender o “timing” perfeito. Se conseguirmos identificar o momento certo para necessidades ou tendências, e esta oportunidade estiver alinhada com satisfação pessoal, ser notado começa a se tornar um monstro menos difícil de ser derrotado.

Mudança

A indústria de entretenimento é muito dinâmica, e uma grande mudança está acontecendo neste exato momento: Diversas empresas de peso já estão investindo pesado como Facebook, Sony, Microsoft, HTC + Steam, Samsung, Google, Epson, Apple, entre diversas outras empresas com devices mais de nicho, seja em realidade virtual ou aumentada. Ainda dá tempo de ser notado pela “novidade” neste novo “gênero” que VR e AR representam. Se perdermos essa janela precisaremos identificar qual será a próxima “tendência”.

escola-brasileira-de-games-peronio

Dificuldades

Mesmo com o “timing” perfeito, nem tudo são flores, aconselhar desenvolvedores a investir nessa área é quase mandar um soldado para uma missão suicida. Ninguém sabe ao certo quanto tempo ela levará para ser consolidada. portanto, desenvolver um jogo indie mirando neste mercado é um risco altíssimo.

Porque

Aqui na Ovni Studios, sempre fomos apaixonados por realidade aumentada, com o anúncio do Hololens ficamos extasiados. Há muitos anos não nos sentíamos tão animados em ver a indústria tão revitalizada. Desde então sabíamos com convicção que faríamos jogos para essa plataforma.

Porém, orientar a empresa para esta plataforma seria suicídio, pois o Hololens, ou qualquer óculos de VR ou AR, precisará de um bom tempo para consolidar uma base instalada para justificar investimento. A própria Microsoft declarou que levará pelo menos 5 anos para se consolidar, e que inicialmente, investirão mais no mercado corporativo ao invés de entretenimento.

Outro ponto será seu preço, pois sabemos que a sua primeira versão será um pouco mais cara por ser standalone, diferente de outros óculos ligados a consoles ou computadores.

Antes de prosseguir com nossa possível solução, me permitam apresentar brevemente nosso primeiro título utilizando nossa abordagem “all in one”:

Peronio Pop-up Book: “O que você quer ser quando crescer?”

Diferente de outros jogos ou livros de pop-up interativos, Peronio possui uma proposta muito criativa e inovadora de usabilidade, combinando Realidade Virtual e Aumentada em uma única experiência que você nunca mais vai esquecer!

É esta magia que tornam as crianças tão especiais e nesse aspecto a tecnologia atual ajuda muito.

escola-brasileira-de-games-peronio

Solução?!

Desistir? Certamente não!!!
E como podemos diminuir o risco? Qual a possível solução?

É nesse momento que morar em países emergentes como o Brasil, onde temos um cenário tão adverso com impostos altíssimos, passando por uma crise atualmente, nos obriga a ser criativos e diminuir riscos ao máximo.

Nossa solução foi investir em VR e AR para mobile e utilizar as “novas” tecnologias como gameplays opcionais. Mesmo para mobile, obrigar o jogador a ter um óculos, mesmo de baixo custo como o Google Cardboard, é algo que limitaria muito nossa receita. Em questão ao design, a dificuldade é enorme em ter um jogo divertido e relevante tanto para quem gosta de VR e AR, quanto para quem não gosta.

Se resolvermos essa equação, e o jogo estiver acima das tecnologias utilizadas, as pessoas seriam impactadas da forma correta, sem serem obrigadas a jogar de forma X ou Y. Tornando o jogo uma ótima entrada para estes novos universos.

Modos de jogo “Tudo em um”

Você pode jogar Peronio de diversas formas, com ou sem óculos de realidade virtual:
– Touch Screen tradicional
– Realidade Aumentada
– Realidade Aumentada com toque virtual
– Realidade Virtual
– Realidade Virtual e Aumentada juntos
– Realidade Virtual e Aumentada juntos com toque virtual

escola-brasileira-de-games-peronio

Virtual Touch

Os smartphones atuais não possuem “ainda” sensores para mapear as mãos e o ambiente ao seu redor como o Hololens por exemplo. E exigir que os jogadores comprem os sensores adicionais para seus smartphones é inviável. Por isso, visando os óculos full feature com tracking de mãos e superfície, desenvolvemos uma tecnologia via software para que os jogadores pudessem de fato “tocar” os elementos na cena com seus dedos.

Não é uma solução perfeita como a utilização de hardwares desenhados especialmente com essa finalidade, mas já é possível ter uma experiência parecida como a encontrada no Hololens. Assim que novos smartphones chegarem ao mercado com esses novos sensores nativos, nós os utilizaremos imediatamente.

escola-brasileira-de-games-peronio

“Timing” novamente

Em 2016 diversos óculos serão lançados e eles precisarão de conteúdo. É para este mercado que estamos mirando.

Tudo nos indica que estamos no caminho certo pois somos finalistas do Unity Awards, ao lado de empresas como Toca Boca e Madfingers, que é realmente uma honra para nós. Somos finalistas também do Vuforia™ Vision Awards, e também fomos finalistas do BIG – Brazil’s Independent Games Festival.

É isso ai!

Porque esperar pelo Hololens para criar jogos VR e AR! A experiência mobile certamente não é a mesma, mas também é incrível de formas diferentes. Quando o Hololens se popularizar, conseguiremos portar o jogo de forma extremamente rápida.

Ficou curioso?

Baixe o Peronio no Google Play e na Apple Store agora mesmo.

Quem é Tiago Moraes? (@tiagoam)

Tiago Moraes, apaixonado por desenvolvimento de jogos, trabalha na área desde 2000. Em 2007 fundou a Ovni Studios, um estúdio independente onde atua desde então. Foca atualmente em Mix Reality, uma solução Holográfica Mobile combinando Realidade Virtual e Aumentada em uma única e imersiva experiência. Possui mais de 100 jogos publicados, sejam eles autorais ou advergames, que acumulados somam mais de 1 milhão de downloads. Seu mais recente título que utiliza Realidade Mista é o premiado Peronio Pop-Up Book.

Para entender mais sobre o assunto:

React VR – Creating Virtual Reality Apps

The Complete Unity® Masterclass: Build 2D, 3D, and VR Games

Build Virtual Reality Games for Google Cardboard using Unity


Produção e Desenvolvimento de Games: Aprenda as Melhores Técnicas e Ferramentas Utilizadas por Desenvolvedores Profissionais

Saiba mais


A Escola Brasileira de Games (EBG) é uma plataforma de ensino, treinamento e aperfeiçoamento de conhecimento nas áreas de gestão empresarial da indústria de jogos, aplicativos mobile e negócios digitais.

4 Comentários

  • Excelente trabalho!

    Rodrigo Assis Rocha Responder
  • Olá Tiago tudo bem ?
    Sou profissional de 3dsmax aqui em Vitória ES .
    É possível passar seu contato telefônico para batermos um papo sobre nossa área ? Prometo que não tomarei muito o seu tempo .
    Abs

    Marcio Bravo de Miranda Responder
  • Olá! Faço mestrado com foco em realidade virtual e sem bem dessas dificuldades , a matéria é muito interessante e traz o panorama não só do mercado de RV, mas dos jogos e dos aplicativos. Ser notado em meio tao selvagem. O mais legal é quando você faz algo que gosta, o resto é tentar vencer o monstro. ^^

    George Responder
    • Obrigado George! Dificuldades existem em todas as áreas, mas pelo menos no meio dos games a gente se diverte não é mesmo 🙂 Qualquer dúvida estamos à disposição!

      Redação EBG Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *