Como montar um estúdio de desenvolvimento de games: Parte 6 – Funcionários

Como montar um estúdio de desenvolvimento de games: Parte 6 – Funcionários

O quadro de funcionários de uma empresa de produção de games varia de acordo com o porte do empreendimento

Em geral, para início de negócio (de uma micro empresa), são necessários, no mínimo, 4 a 5 funcionários (1 game designer e gerente de projeto, 1 programador, 1 artista – art diretor e/ou designer de som/música/sound designer) e 1 a 2 para administrativo/marketing/vendas).

De modo geral, as funções são distribuídas em quatro áreas. Três ligadas ao produto e a outra ao gerenciamento do negócio.

O game designer é o responsável pelo projeto do jogo, agrupa as ideias dentro do mapa e define o sistema de regras e as consequências das ações dos personagens.

Já o programador é aquele que tem uma formação técnica (Ciências da Computação ou Criação de Games, por exemplo) e cria toda a interface do game. Cabe ao designers ou artista (ilustradores e modeladores 3D) criar toda a parte visual do game com a qual o jogador vai ter contato. Há profissionais com formação específica, mas o mais importante é o portfólio/experiência.

escola-brasileira-de-games-udemy-desenvolvimento-de-carreira

Em alguns casos, ainda pode haver a “figura do tester”, que irá jogar exaustivamente o protótipo para descobrir possíveis erros de programação e também na progressão do jogo, com o objetivo de tornar a experiência mais proveitosa e intuitiva possível para o jogador. Esse papel pode também ser desenvolvido por freelancers do mercado ou por usuários de games voluntários. O profissional responsável pelo administrativo cuida das vendas, relacionamento com fornecedores e pelo atendimento ao cliente, além da gestão do empreendimento.

Recomenda-se ainda a adoção de uma política de retenção de pessoal, oferecendo incentivos e benefícios de natureza financeiros ou outros. Assim, a empresa poderá diminuir os níveis de rotatividade e obter vantagens como a criação de vínculo entre funcionários e clientes e ainda a diminuição de custos com recrutamento e seleção; treinamento de novos funcionários; e custos com demissões. Como o CNAE da empresa desenvolvedora de games é o mesmo dos negócios de software, o sindicato vinculado a seus funcionários será o mesmo.

Parte 1: Apresentação

Parte 2: Mercado

Parte 3: Localização

Parte 4: Exigências legais e questões jurídicas

Parte 5: Estrutura

Link do guia original criado pelo SEBRAE em parceria com a ABRAGAMES

Download do PDF


Produção e Desenvolvimento de Games: Aprenda as Melhores Técnicas e Ferramentas Utilizadas por Desenvolvedores Profissionais

Saiba Mais


A Escola Brasileira de Games (EBG) é uma plataforma de ensino, treinamento e aperfeiçoamento de conhecimento nas áreas de gestão empresarial da indústria de jogos, aplicativos mobile e negócios digitais.

Nosso objetivo é ensinar, incentivar e aperfeiçoar a capacitação profissional através de metodologia inovadora baseada nas experiências e práticas de gestão reais utilizadas pelas empresas no Brasil e no mundo.

6 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *